Quinta-feira
06 de Outubro de 2022 - 

Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Dicas Camilo e Monteze

Justiça Itinerante presta atendimento a detentas do Talavera Bruce

Gabriela Elias da Silva, de 33 anos, e Ariele Menezes dos Santos, 23 anos, concretizaram o sonho de formalizar a união estável através do programa Justiça Itinerante, do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ), que esteve na unidade carcerária Talavera Bruce, em Bangu, na última sexta-feira (16/9) para prestar uma série de serviços – entre eles, a conversão de união estável em casamento.    “Estou firme e forte esperando lá fora por ela, só vai depender dela. Depois, vida nova. Estou muito feliz, melhor ainda será quando ela sair daqui”, completou a ex-presidiária Gabriela.    O casal homoafetivo se conheceu no sistema penitenciário quando ambas ficaram na mesma cela. De acordo com a juíza Renata de Lima Machado, da 4ª Vara Cível de São Gonçalo, é sempre uma alegria formalizar um casamento.     “É como se fosse uma flor nascendo de uma pedra”, resumiu a magistrada que celebrou a união logo na primeira audiência do dia.    Já Vanessa Amélia França, de 28 anos, finalmente conseguiu passar a guarda do filho de 13 anos para as irmãs dela. Presa por roubo, a detenta vai conseguir receber a visita mensal graças à regularização da documentação do menor, já que o pai morreu meses depois do nascimento.    “Tudo o que eu faria pelo meu filho, se estivesse do lado de fora, elas farão. Vão poder levar ele ao médico, tirar carteira de vacinação, fazer matrícula na escola sem o impedimento da falta de documentação e, principalmente, sem eu perder o poder de mãe”, disse Vanessa.    Para a juíza Lysia Maria da Rosa Mesquita, da 4ª Vara Cível de São João de Meriti, resolver pendências como essa é gratificante.    “O sistema já é tão pesado para eles que quando você consegue pelo menos dar uma identidade, uma certidão de nascimento, damos visibilidade a essas pessoas e também uma chance de, no momento em que saírem, poderem serem reinseridas na sociedade”, relatou a magistrada.    SV/MB    Fotos: Brunno Dantas
19/09/2022 (00:00)
Visitas no site:  150741
© 2022 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia